Em busca de Justiça – Então é Halloween?

– Então é Halloween? – Disse Serg soltando lentamente à fumaça de seu cigarro.

– É Serg, o dia mais assustador do ano – Disse Eric rindo com o cigarro na boca.

– O que temos para hoje, Eric?

– Parece que algum megalomaníaco estúpido anda matando pessoas e costurando abóboras em suas cabeças. – Eric expelia a fumaça como uma chaminé – Está fazendo isso desde a meia-noite de hoje.

– Porra! Já fazem 18h00min que um filho da puta está matando pessoas e só sou informado agora?

– Achávamos que eram casos isolados, chefe.

-Claro, pois todos assassinos colocam abóboras na cabeça das vítimas. – Disse Sérgio com um tom sarcástico.

-Eh…

– Temos que parar com essa burocracia Eric. Quantas vítimas?

-Quatro.

-Quatro vítimas?!  Porque não me falaram antes?! A partir da segunda com toda a certeza não são casos isolados.

– Bem, chefe, nós estávamos investigando até então, chamaríamos você em último caso… – levou o cigarro à boca – E no caso, estamos fodidos.

– Puta que o pariu. – Apagou o cigarro no cinzeiro – O que vocês já sabem?

-O assassino mutila as pessoas e deixa abóboras com sorrisos felizes no lugar. – Apaga o cigarro no cinzeiro. Solta um suspiro e diz. – Ele está atacando aqui em nosso distrito, por isso a merda toda foi empurrada para a gente.

-Ok, Ok. – disse Serg se levantando de sua cadeira e indo olhar na janela. Do outro lado da rua ele viu um mercadinho, sorriu e virou-se – Diga-me, Eric, Quantos supermercados têm aqui no distrito?

-Vou saber? Uns 40?

Calmamente Serg lhe disse, com um sorriso na cara:

– Tudo bem… Volte para sua sala e abra o Google Earth, olhe nosso distrito e conte quantos mercados. Vou conversar com a Sandy, para ver o que mais ela achou na autópsia. Imprima o endereço de todos os supermercados. Chame-me no Nextel quando terminar.

– Tudo bem, chefe.

Serg sentou-se em sua cadeira e suspirou. Virou-se para a janela e ficou olhando a lua subir no céu. Serg estava cansado. Todo dia maníacos faziam merdas em seu distrito. Abriu uma garrafa de uísque, encheu um copo e bebeu. Logo após decidiu falar com Sandy.

Desceu as escadas e foi ao andar onde se localiza o laboratório. Ajeitou sua gravata vermelha abaixo de seu coleto e então entrou. Sandy estava debruçada sobre um morto, procurando por indícios do crime.

– E aí Sandy? Novidades?

– Serg! Você por aqui? Bem… Ele usa facas que o exército usa, sabe? Aquelas que têm alguns dentes em parte inferiores. Ah, as abóboras são cortadas com a mesma faca. Ele deve ter algum conhecimento de anatomia, pois ele corta a garganta em um ponto que a pessoa morre sofrendo. Fora isso a forma com que ele liga a abóbora ao corpo é perfeita.

– Hm… Entendo… Já tentou abrir a abóbora?

– Como?

– Abrir à abóbora. – Serg pegou uma faca em cima da mesa e abriu à abóbora. – E aqui está!

Dentro da abóbora havia um bilhete. Serg o leu em voz alta:

– “Feliz Halloween! Diga-me uma coisa, qual a maior travessura que você cometeu? Sabe a minha foi ‘iluminar’ a cabeça desse indivíduo”.

– Como assim? – Perguntou Sandy.

– Bem, iluminar é um termo subjetivo. Pode ser desde ensinar até iluminar literalmente.

– O que você acha?

– Não sei ao certo, preciso que você me diga mais algumas coisas. – O nextel de Serg apita – Um minuto, Eric, eu já subo aí. – Guardou o Nextel no bolso. – Trace o perfil psicológico das vítimas e do assassino para mim. Me chame no nextel quando terminar. Vou dar uma saidinha com o Eric.

– Tudo bem.

Serg subiu as escadas e encontrou Eric encostado na parede flertando com Gabriella. Serg deu um tapinha nas costas de Eric e disse:

-Vamos lá seu bastardo.

– Ah… Chefe… Eh…

– Não precisa se explicar Eric… Vamos até o estacionamento.

– Tudo bem.

Foram conversando sobre várias coisas no caminho. Quando chegaram Serg encostou-se ao carro, puxou um cigarro para fora do maço e perguntou:

– O que descobriu?

– Bem, temos 43 mercados no distrito.

– Tem os endereços?

-Sim. – Disse Eric tirando um papel dobrado do bolso.

-Deixe-me ver – Serg tirou o nextel, apertou o botão e disse – Roberto?  Ta aí? – Roberto responde – tudo bem, junte mais três homens e venham aqui no estacionamento.

Após algum tempo quatro homens chegam e Serg diz:

– Pessoal, temos 43 mercados que podem vender abóboras. Vamos nos dividir. Cada um de vocês procura em 8 desses supermercados, eu e Eric procuramos em 11. Mantenham-me informado pelo nextel. – Serg cortou o papel dos endereços em 5 partes. E entregou a cada um. – Vamos lá! Temos um Filho da puta para prender.

Cada um se dirigiu ao seu carro, Serg e Eric entraram no Corolla preto de Serg. Serg ligou o rádio e colocou um pendrive. Ele disse:

– Espero que goste de Pink Floyd.

Procuraram em todos os 11 mercados para ver qual deles vendia abóboras. Todos vendiam. Assim como todos os 43 mercados vendiam. Serg disse aos outros para pegarem as fitas das câmeras de segurança e histórico de vendas. Todos voltaram ao QG, onde Serg passou horas averiguando as fitas dessa semana que havia começado há pouco – ainda era quarta-feira – e as fitas da semana passada. Na fita de quarta-feira de humana semana atrás do mercado ‘extra’ havia um homem com um carrinho onde só havia abóboras laranja. Serg sorriu. Era um homem alto, branco, com um moicano moreno e com um piercing inusitado, que mais ninguém teria. Um piercing que se assemelhavam a pequenos espinhos, todos em sua mandíbula inferior. Seu nextel toca.

– Chefe, todas as vítimas são homens que moravam em um condomínio de casas. Todos sumiram hoje cedo e suas famílias já entraram com B.O. para procura. As levo para o reconhecimento de cadáver?

– Sandy… Como irão reconhecer sem a cabeça? Faça teste de D.N.A. neles.

– Tudo bem. E você? O que descobriu?

– Encontrei um homem comprando um monte de abóboras semana passada. Passe me por e-mail o endereço desse condomínio, irei lá dar uma olhada.

Serg abriu o e-mail, terminou seu uísque e cigarro e foi dirigir. Chegou ao condomínio, ele se chamava Carpe Diem e era um condomínio de casas medianas. Pediu ao síndico para convocar uma reunião extraordinária. E lá estava ele. Nessa reunião, Serg anunciou a morte de 4 moradores. Todos ficaram em choque e a reunião acabou.

Serg seguiu o jovem que era o suspeito. Após um tempo que o homem entrou, Serg bateu na porta e disse:

-Doces ou travessuras! – Socou a cara do homem o derrubando. Fechou a porta, sentou o homem em uma cadeira e disse – Você está preso, sobre acusação de assassinato em série.

– Porra! Meu nariz! – O nariz do homem sangrava. – Afinal, o que eu fiz?!

-Você comprou abóboras recentemente, não?

– Sim, um vizinho me pediu esse favor, já que estava ocupado, me deu 200 contos e me disse para ficar com o troco.

-Puta que o Pariu! Não foi você?!

– Eu o que porra?!

– Tudo bem, me diga aonde esse vizinho mora.

-Ele mora aqui em frente. Mas saiu, foi jogar o lixo fora, sei lá. Estava com um puta dum saco no porta-malas.

– Ah… Muito obrigado… Desculpe pelo nariz.

Serg se dirigiu a casa da frente. O cara ainda não tinha chegado. Arrombou a porta. Era uma bela casa, havia um grande bar. Serg se serviu de um uísque Gold Label. Pegou um charuto cubano e sentou-se na cadeira. Quando terminou o charuto, Serg ouviu um barulho no andar de cima. Sacou sua 9 mm e subiu devagar. No quarto dos fundos havia algumas cabeças avulsas, onde havia vários miolos e muita carne em um canto do quarto, que fora as cabeças e um armário estava vazio. Essas cabeças estavam vazias e com uma vela acesa dentro delas. Serg pensou que tipo de maníaco faria isso. O armário mexia e se ouvia ruídos de dentro. Serg abriu o armário e três corpos caíram ao chão, todo atônitos.

Serg sussurrou para eles dizem que estava tudo bem e era para ficarem quietos, pois ele iria soltá-los.  Quando Serg puxou seu canivete para cortar a corda das mãos ele ouviu a porta sendo aberta. Serg se escondeu atrás da porta. O maníaco entrou pelo quarto dizem.

– Meus queridos! Eu voltei para nossa diversão.

Serg encostou o cano frio na nuca do Maníaco e disse:

-Vamos com calma, Cowboy, você está preso.

Serg o Algemou no corrimão da escada, chamou reforços e começou a interrogá-lo.

– Qual o seu nome?

– Matheus Garcia – disse o homem quase chorando.

– Por quê?

– Eu apenas queria salvá-los, queria dá-los a luz, fazer deles seres iluminados.

Serg o olhou com um olhar torto e disse:

– Tudo bem, Zsasz, você cometeu muitos erros e isso não ocorrerá de novo.

-Quando eu for solto eu farei de novo, você sabe muito bem.

-Sim eu sei. – Disse Serg com um sorriso de uma orelha à outra. Colocou uma luva na mão direita e colocou o revólver na mão de Matheus, direcionou o revólver para a boca e o fez apertar o gatilho. – Vá se foder.

Serg serviu-se de uísque e fumou um cigarro. Quando o ‘reforço’ chegou após meia hora, todos ficaram assustados. Lá estava Matheus, com a pistola na mão, morto. Serg lhes contou o que aconteceu.

– Quando eu estava o interrogando, ele pegou a arma com a mão que deixei livre e rapidamente se matou, não deu nem tempo deu impedi-lo. Foi tudo tão rápido.

Anúncios

DiasS – Gentle Push

Boa tarde pessoas lindas. Quanto tempo não posto aqui, não?
Bem, dessa vez eu trago um sistema por eventos muito foda! Quantos de vocês já jogaram assassin’s creed?
Esse sistema é baseado no jogo assassin’s creed. Sabe quando você está correndo e empurra os cidadães no chão? É, esse sistema é baseado nele. Você ao correr e trombar com algum evento você o joga longe. Ele se levanta e anda novamente. Sabe quando você está andando e aquele evento fica na sua frente te atrapalhando passar? Não seja por isso! É por isso que você pode empurrá-lo para longe ou simplesmente ser gentil e empurrá-los gentilmente.

Nessa Demo você poderá empurrar crianças (Nota: Essa atitude fora dos games é totalmente ridícula e estúpida, não repita isso em casa ou em qualquer lugar.), fale com o velho do vilarejo para entender como funciona as teclas.

Não postarei imagens, pois é imperceptível por elas.

Para baixar clique aqui

Vou aproveitar e dizer: Coloquei um blogroll das comunidades da qual participo nessa coluna à direita. Deem uma olhada, são todas comunidades excelentes. ^^